Archive for the ‘Leucipo’ Category

Livro III – As novas cosmologias dos atomistas – Resumo

01/02/2009

Livro III – As novas cosmologias dos atomistas – Resumo
(495 a 370 AC)

1 – Pluralismo eclético: Se professa um mecanicismo incompleto. Tenta explicar o mundo por elementos qualitativamente diversos.

1.a – Empédocles (495 a 435 AC): Quatro elementos (água, ar, fogo e terra); o princípio do movimento reside no amor e ódio; as almas e deuses resultam da mescla dos elementos.
1.b – Anaxágoras (500 a 428 AC): Infinitos elementos; princípio da mudaças é o Nous, cuja existência se prova pelo movimento e ordem cósmica.

2 – Doutrina atomista: Mecanicismo puro; número infinito de elementos (átomos) quantitativamente diferentes.

2.a – Leucipo
2.b – Demócrito (460 a 370 AC): Número infinito de átomos; os princípios do movimento são o peso como causa eficiente e o vazio como condição; evolução mecânica do cosmos; conhecimento por meio de imagens.

Capítulo 3 – Demócrito – primeira parte.

28/01/2009

Demócrito (470 AC)

O último filósofo pré-socrático nasceu em Abdera de Tracia pelo ano de 470 AC e foi discípulo de Leucipo (1) de quem prosseguiu e aperfeiçoou as idéias atomistas. Demócrito desenvolveu um atomismo quantitativo. Seu ponto de partida é como o de seus antecessores, o princípio eleático de que nenhuma realidade pode ser produzida nem pode perecer. A partir desse ponto pretende explicar as mudanças e a multiplicidade dos seres por meio dos átomos eternos e imutáveis. Os últimos elementos dos seres são o cheio e o vazio. O cheio, o sólido, é o ser, que se identifica com os corpúsculos ou átomos. O vazio, o não-ser, nada mais é que o espaço vazio interposto entre os diferentes átomos.

Os átomos são infinitos, eternos, invisíveis, qualitativamente semelhantes e quantitativamente indivisíveis, de onde vem o próprio nome: átomo (2). Diferem na forma (ou figura), coordenação e posição. A estas três diversidades soma-se uma nova, a diferença de magnitude e de peso. Com os átomos qualitativamente iguais e imutáveis, Demócrito explica as mudanças e diversidade das coisas por mera combinação mecânica. Introduz como causa eficiente das combinações o movimento. Este é eterno, como são os átomos, e produzido em virtude da gravidade, que os antigos não entendiam como atração universal, mas a propriedade dos corpos de moverem-se para baixo e caírem quando sem obstáculos, no vazio. E essa caída é proporcional ao peso das coisas. Aplicando todos estes elementos Demócrito explica a formação do cosmos. Os átomos começam sua caída no infinito espaço vazio desde a eternidade. Como sua velocidade é diferente por causa dos diferentes pesos, os átomos mais pesados se precipitam sobre os mais leves (caem mais rápido que estes) e formam aglomerações, remoinhos de átomos com os quais o movimento retilíneo primitivo se converte em circular, dando origem, deste modo, aos diferentes sistemas cósmicos. Estes sistemas são também infinitos, como os átomos e os espaços vazios.

(Fim da primeira parte… continua no próximo post).

(1) Leucipo – encontrei pouca coisa sobre Leucipo. No livro base não há outra referência além desta até o momento. Sugiro olhar o pouco que existe na Wikipédia.

(2) Átomo – FIL para os pensadores gregos Leucipo e Demócrito (460 a 370 AC), cada uma das partículas minúsculas, eternas e indivisíveis, que se combinam e desagregam movidas por forças mecânicas da natureza, determinando desta maneira as características de cada objeto. (Houaiss)


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 37 outros seguidores