Archive for the ‘Filolao’ Category

Livro I – As primeiras cosmologias dos jônicos e pitagóricos – Resumo

30/01/2009

Livro I – As primeiras cosmologias dos jônicos e pitagóricos
(600 a 500 AC)

1 – Empirismo físico moderado dos jônicos: Os filósofos buscam o princípio material e concreto do que são constituídas as coisas. Se inclinam a um empirismo moderado buscando a causa material em algo imediatamente percebido pelos sentidos. Admitem a multiplicidade dos seres – pluralismo – mas não fazem distinção entre matéria e espírito (hilozoísmo).

1.a – Tales de Mileto (624 a 562 AC): um princípio concreto – a água.
1.b – Anaximandro (610 a 647 AC): um princípio indeterminado – o ápeiron
1.c – Anaxímenes (588 a 524 AC): um princípio vivo e sem limites – o ar
1.d – Diógenes (século V): o ar dotado de razão

2 – Racionalismo moderado dos pitagóricos: Não buscam o que constitui as coisas mas sim o que são elas em si. Realizam uma abstração matemática. Estabelecem um princípio predominantemente formal, concreto-abstrato: o número.

2.a – Pitágoras (580 a 500 AC): 1 – Metafísica: O número é o princípio constitutivo das coisas. O número par representa o infinito, o impar o finito. Infinito e finito se unem pela harmonia. O universo é o cosmos. 2 – Misticismo religioso: Os astros são deuses, o maior dos quais habita em forma de fogo no centro da Terra. A alma divina e imortal provem deste fogo do centro da Terra, mas em castigo de uma culpa original é unida ao corpo. A virtude é uma harmonia entre as partes sensitiva e racional. Admitem a reencarnação e a metempsicosis.
2.b – Escola pitagórica: Filolao ensina a rotação da Terra em torno do Sol. Hicetas ensina a rotação da Terra ao redor do seu eixo.

Anúncios

Capítulo 1, artigo 2 – Os Pitagóricos – (terceira parte)

21/01/2009

Outros pitagóricos e suas contribuições

A escola pitagórica teve muitos filósofos célebres, entre os quais se sobressai Filolao que dizem ser o primeiro a indicar o movimento da Terra ao redor do Sol e Hicetas que indicou o movimento da Terra em redor de seu eixo. Esta doutrina, reproduzida por Aristarco de Samios, no século III AC e desacreditada depois pela autoridade de Aristóteles, foi ressuscitada e desenvolvida cientificamente por Copérnico, que confessa que em suas investigações ter sido estimulado por Hicetas, que conheceu nos escritos de Cícero (1).

Esta passagem de Cícero diz assim: “Hicetas de Saracusa, como disse Teofrato, crê que o céu, o Sol, a Lua, as estrelas e finalmente, todos os corpos celestes, estão quietos, parados, e que nenhuma coisa se move no mundo, com exceção da Terra, que gira e dá voltas com grande rapidez ao redor de seu eixo e que produz os mesmos efeitos que se produziriam se, estando parada a Terra, se movesse o céu”.

Além de Filolao e Hicetas, pertencem à escola pitagórica os contemporâneos de Sócrates Lysis, Hipaso, Somias e Cebes, tantas vezes comentados por Platão, Arquitas tarentino, célebre na Mecânica, o médico Alcmeon que indicou que o cérebro é o orgão central da sensibilidade, Timeo locrense e Ocelo lucano.

(1) confirmar