Archive for the ‘Xenófanes’ Category

Livro II – A antinomia ser-devir de Heráclito e os eleatas – Resumo

31/01/2009

Livro II – A antinomia ser-devir de Heráclito e os eleatas
(550 a 450 AC)

1 – Explicação dinâmica: Os princípios do movimento são intrínsecos as coisas; existência de elementos qualitativamente diferentes.

1.a Heráclito de Éfeso (535 a 465 AC): O princípio é o fogo, vivo, inteligente e divino (Logos); panta rhei tudo corre, tudo flui- ; polemos pater panton – o conflito é o pai de todas as coisas.

2 – Explicação estática e unitária: Princípio meramente formal; racionalismo extremo; monismo abstrato:

2.a – Xenófanes (570 a 480 AC): o teólogo da escola; ensina um monismo incompleto porque admite algum devir e multiplicidade e imutabilidade de Deus. Rechaça a transmigração das almas.
2.b – Parmênides (540 AC): o metafísico da escola; ensina um monismo rigoroso pois nega todo devir e multiplicidade; formula o princípio do racionalismo – ser e pensar é o mesmo.
2.c – Zenão (520 AC): o dialético da escola; estabelece as aporias dialéticas – dificuldade ou dúvida racional decorrente de uma impossibilidade objetiva na obtenção de uma resposta ou conclusão para uma determinada indagação filosófica; Paradoxos de Zenão.

Capítulo 2, artigo 2 – Xenófanes

23/01/2009

Xenófanes (570 a 480 AC)

Fundou uma escola em Elea. Seu monismo não é inteiramente rígido, pois não nega todo o devir e admite certa multiplicidade, ao menos relativa. Pode ser chamado de o teólogo da escola eleata porque é o primeiro que ensina a unidade e a imutabilidade de Deus: “Há um só Deus, o supremo entre todos os deuses e os homens”. Desta forma, esta estrita doutrina se baseia num fundamento falso, ou seja, em seu monismo racionalista onde tudo é uno e imutável e que Deus é o próprio mundo. Entretanto, por outro lado, crê que a água e a terra nascem e passam.

Repele a transmigração das almas defendida pelos pitagóricos. Há uma passagem citada onde provoca um pitagórico que pegava um cachorro: “Largue-o, porque é a alma de um homem querido”.

Obs.:  o melhor site que achei sobre Xenófanes está em Portugal, Forum Filosofia, onde também pesquiso e aconselho a inscrição.